21 julho 2021

Como fazer um planejamento financeiro familiar para sair do aluguel

A maior parte das preocupações do indivíduo que está prestes a adquirir casa própria é em relação ao dinheiro: “tenho a quantia necessária?”, “conseguirei pagar o financiamento?”, “vou dar conta das prestações?”, “e se eu perder o emprego?” são apenas algumas das perguntas que podem passar por sua cabeça antes de tomar a derradeira decisão. Porém, não podemos deixar de lado as preocupações de cunho emocional e de natureza subjetiva, como “e se essa casa não atender às minhas necessidades e às de minha família?” ou “e se eu não me adaptar à rotina de um novo bairro, de um novo lar?”. Todas as preocupações são válidas e nós, da Rottas, tentaremos ajudá-lo a resolver cada questão que o aflige. Afinal, você deve saber como comprar um imóvel com segurança e deve ter certeza da decisão que está tomando. Acompanhe o artigo:

FAÇA UM BOM PLANEJAMENTO (PESSOAL E FINANCEIRO)

O primeiro passo antes de se tomar uma decisão é elaborar os planos. É por meio do planejamento que você conseguirá ampliar sua visão do futuro e identificar os melhores caminhos pelos quais seguir. Quando se trata da compra de uma casa própria, porém, o  planejamento ganha uma importância muito maior, porque abrange não só o lado pessoal como o financeiro também. O mais indicado é colocar tudo no papel, e em seguida, faça a si mesmo perguntas como:

  • O imóvel será ideal para mim daqui a alguns anos?;
  • Terei dinheiro para comprar tal imóvel?;
  • Terei condições de pagar as prestações do financiamento?;
  • Eu gosto da vizinhança?;
  • Gostaria de envelhecer aqui?

Faça um planejamento a longo prazo, avalie suas finanças, imagine as possibilidades do amanhã e tente relacioná-las com o imóvel que você deseja comprar. Se as duas coisas coincidirem, então talvez você esteja no caminho certo e o arrependimento passará bem longe da sua decisão. Porém, se você não se imagina morando no lugar dentro de 5 ou 10 anos, é hora de começar a pensar em outras opções. Lembre-se que o planejamento a longo prazo trará conforto e segurança a você e à sua família – ninguém adquire uma casa própria pensando em abandoná-la no ano seguinte, por isso, pense muito bem no que você irá desejar no futuro e, principalmente, se seu bolso poderá arcar com as despesas não só de hoje, mas de amanhã também.

Na longa jornada de procura e aquisição de uma casa própria, toda a família precisa estar engajada. Escolher o melhor local pode ser complicado, porém nada se compara às despesas e gastos (muitas vezes não programados) que estão acoplados à decisão. Por isso, você deve planejar tudo muito bem e colocar tudo na ponta do lápis para não tomar nenhum susto no decorrer do processo. Reúna os parentes e mãos à obra: aprenda como fazer um planejamento financeiro familiar para sair do aluguel, porque é a dedicação e a contribuição de toda a família que vão ajudar você na tarefa de administrar melhor seu dinheiro e adquirir casa própria.

CONVERSE SOBRE A IMPORTÂNCIA DO TEMA

Uma família que se comunica é uma família com mais chances de ser feliz. Portanto, converse com seus parentes sobre a importância de um imóvel e dos inúmeros benefícios que essa aquisição trará ao futuro de vocês. Caso eles ainda não estejam convencidos, elencamos aqui algumas das vantagens de se obter uma casa própria:

  • Diminuição dos gastos
  • Praticidade no processo da compra (por financiamento, consórcios, projetos do governo como o “Minha Casa, Minha Vida” ou uso do FGTS, por exemplo)
  • É um bem durável
  • É um patrimônio seguro que servirá de abrigo para sua família
  • Mais liberdade e poder de decisão
  • Estabilidade e segurança para a vida inteira

Enquanto isso, no mundo do aluguel, as desvantagens são inúmeras

  • Aluguel não é um investimento
  • Muitas vezes você desperdiça dinheiro
  • Sua rotina é instável e incerta
  • Você pode não ter uma boa convivência com o proprietário
  • O aluguel pode aumentar a qualquer momento
  • Você não tem autonomia ou liberdade no ambiente
  • Sempre existe algum tipo de restrição do imóvel alugad

Agora, uma vez que toda a família estiver ciente da importância do tema e estiver de acordo com o planejamento, podemos começar a pôr as mãos na massa. Está na hora de efetivamente engajar a família!

DEFINA SUAS RENDAS

Definir as rendas é o primeiro passo essencial para fazer um planejamento financeiro familiar de qualidade e que dê resultados. O ideal é saber exatamente quanto cada integrante da família ganha por mês e, principalmente, com quanto cada um poderá contribuir e, sobretudo, economiza para que, juntos, fique mais fácil alcançar o sonho da casa própria. Faça um levantamento de todas as rendas: o dinheiro que entra e o dinheiro que sai dirão tudo sobre as possibilidades (suas e de sua família) e serão eles que determinarão o futuro. Saber administrá-los e, acima de tudo, economizá-los, é essencial.

ORGANIZE SEUS GASTOS

Pegue um papel e transfira tudo para a ponta do lápis. Organizando seus gastos, você poderá identificar o que consome mais o seu dinheiro e o que pode ser temporariamente cortado para não ocasionar despesas desnecessárias. Converse com sua família e façam um acordo mútuo: podemos ficar sem TV a cabo por um tempo? Podemos suspender ofast foodpor uns meses? Podemos economizar no mercado? Lembrem-se que tudo é em prol de um bem maior, e que as contenções não são para sempre. Tudo valerá a pena no final

Algumas compras pequenas também podem nos levar à falência. É como diz o velho ditado: “de grão em grão…”. Portanto, evite gastos esporádicos que parecem não influenciar em nada e que, no final, vão pesar no seu bolso. Priorize as dívidas e foque em pagar o que é realmente importante e essencial até que o sonho da casa própria se realize. Mantenha o foco, tenha determinação e engaje toda a família no hábito sagrado de se conter nos gastos.

DETERMINE UM ORÇAMENTO DOMÉSTICO

Isso funciona basicamente como estabelecer metas numa empresa. Quando se estabelece uma meta, toda a equipe se sente motivada e estimulada a produzir mais e melhor no objetivo unânime de atingir a meta. Como, no caso, falamos sobre famílias, não se trata de metas, mas de orçamentos domésticos. Estabelecendo limites, a família se sente mais comedida (no bom sentido da palavra) nas despesas, sabendo exatamente com o que podem gastar e com o que decididamente não podem

CRIE UMA RESERVA FINANCEIRA

Sim, criar uma poupança é uma das dicas essenciais para o planejamento financeiro familiar. Se todos os integrantes da família reservarem um pouco de sua renda mensalmente, no fim das contas, haverá uma boa quantia para ser destinada ao sonho da casa própria. Lembrando que, por mais pesada que seja uma tarefa, como essa de guardar dinheiro, ela se suaviza quando a dividimos com outras pessoas. Para sair do aluguel, todos da família estão no mesmo barco, enfrentando as mesmas dificuldades, para usufruir dos mesmos benefícios. A única alternativa é remarem juntos.

TENHA VISÃO DE FUTURO, PREVEJA IMPREVISTOS

Uma família precisa saber de onde veio, onde está, mas principalmente, para onde vai. Por isso, é sempre bom possuir uma visão de futuro e prever os imprevistos, por mais improvável que isso pareça. É importante que, juntos, os integrantes da família analisem as probabilidades e tenham planos alternativos para eventuais contratempos. Possuir um plano B, C e até o D, se preciso for, é sinal de que o planejamento foi bem estruturado e, melhor ainda, de que elefuncion. Por isso, não tenha medo de imaginar possibilidades negativas, pois elas existem e podem acontecer a qualquer momento. Um sinal de inteligência familiar não é ignorar essas possibilidades, e sim ter uma solução programada para cada uma delas.

Depois de seguir estes passos, é hora de reunir a família e começar a procurar a casa dos sonhos. De agora em diante, o planejamento produzirá bons resultados e com muita cautela, você aprenderá, aos poucos, como comprar um imóvel com segurança. Em breve, você e sua família terão um lugar para chamar de seu. Um lugar para chamar de lar.

AVALIE A REGIÃO

Você não passará 100% do seu tempo dentro de casa, por isso a região onde você vai morar é de extrema importância. Antes de efetuar a compra e se apaixonar pelo imóvel, reserve um pouco da sua atenção para estudar as redondezas. Perguntas do tipo “eu gosto do bairro no qual vou morar?” ou “o comércio é bom por aqui?” são úteis na tarefa de avaliar a região. Pense não só em si mesmo, mas na sua família (a que você já tem ou a que você planeja ter): há escolas por perto? Hospitais, farmácias, mercados? A condução é de boa qualidade? Como é a segurança da vizinhança? Tudo isso importa e influencia na sua decisão.

ESCOLHA O TIPO DE IMÓVEL

O imóvel que você pretende comprar é usado, novo, ainda está na planta? É grande, pequeno, quantos cômodos deve ter? Ao cogitar um lar, você deve pensar a partir de todos os ângulos possíveis, por isso use a sua imaginação. Leve em consideração o que você e sua família precisam: quantas pessoas são? Em quantos quartos poderiam se acomodar? Quantos banheiros serão necessários? Lembre-se que muitas coisas dependem dessas características; o valor de um imóvel varia se ele, por exemplo, ainda estiver na planta, ou se for mais antigo. Pese o seu orçamento e veja o que será melhor para você a curto, médio e longo prazo.

PONDERE AS FORMAS DE FINANCIAMENTO

Faça todas as contas e decida-se pelo melhor caminho: o financiamento com o banco pode ser uma excelente opção, mas se você já possui reserva financeira, talvez possa oferecer uma boa quantia de entrada. Ou então, tomando outras direções, você pode utilizar recursos do FGTS. Há muitas opções e você tem tempo para escolher. Tudo se manterá devidamente no lugar até que você decida, fique tranquilo!

MANTENHA A CALMA

Não se afobe! Mantenha a calma. Tudo o que é comprado no calor do momento apresenta desafios desagradáveis no futuro. Por isso, pense bem, esfrie a cabeça, pondere as situações e as opções. Tenha em mente que a sua casa já é sua: às vezes só falta assinar o contrato, às vezes só falta conhecê-la. Não tenha pressa, pois ela é inimiga da perfeição e da casa ideal. A casa que um dia será sua não sairá do lugar; você pode chegar até ela devagar, ela não vai fugir.

TENHA CONFIANÇA NA IMOBILIÁRIA E NA CONSTRUTORA

Ter uma imobiliária competente e uma construtora de confiança faz muita diferença no processo de escolher e comprar sua casa própria. Uma escolha ruim dessas duas parceiras pode desencadear muita dor de cabeça, o que temos certeza de que você quer evitar. Por isso, faça uma pesquisa antes de tomar sua decisão. Pesquise a credibilidade das empresas disponíveis no mercado, o que os clientes dizem sobre elas, seus feitos e reconhecimentos. Procure saber o histórico delas e fique atento a qualquer sinal de desrespeito às normas.

Seguindo todas essas dicas, você se sentirá mais confiante para trilhar seu caminho rumo à casa própria. Escolher onde vai passar grande parte do seu tempo de agora em diante é uma tarefa difícil, com grande peso emocional, e que acarreta consequências definitivas. Por isso, pense bastante, faça todas as contas com cuidado, e em breve você estará pronto para tomar a decisão certa. Temos certeza que sua casa dos sonhos está à sua espera!

COM A ROTTAS VOCÊ PODE

REALIZAR SEU SONHO